RANDOM: Entrevista para o Books Deluxe & Adolescência

17:02 Matheus Abreu


Olá, meus coraçõezinhos doces, tudo bem com vocês? Comigo está tudo incrível e hoje eu quero ter uma conversa mais séria com vocês e fugir bastante do assunto livros. Eu quero usar o blog como um blog mesmo, quero falar da vida e ter um papo cabeça com vocês, okay?
Antes disso eu quero agradecer infinitamente ao querido do Ítalo do blog Books Deluxe, o qual eu realizei uma entrevista recentemente e hoje ela foi ar. Gostaria que todos vocês dessem uma olhadinha nela clicando aqui. Muito obrigado pelo carinho, Ítalo.

Bom, hoje a gente vai conversar um pouco sobre adolescência. O assunto ainda é um pouco polêmico, mas escolhi ele porque tenho alguns questionamentos sobre como é a vida pelo nosso ponto de vista e coisas randômicas assim.

Eu sempre fui um adolescente dentro do comum, mas não o comum do resto do universo que me cerca e isso sempre foi um mega prolema. Eu sempre curti umas coisas mais alternativas e assuntos que a maioria dos meus colegas e amigos não estavam interessados e isso nunca me afetou muito, só fez com que eu convivesse com pessoas por internet e coisas assim. Depois eu comecei a ir para festas e conhecer um monte de gente nova e legal, mas nunca foram pessoas como eu. No decorrer dos últimos meses algumas coisas foram acontecendo... eu comecei a namorar, comecei a ter uma relação complicada com a minha melhor amiga e devido a isso eu acabei tendo que conviver com um outro grupo de pessoas que eu já conhecia, muito bem por sinal, mas não convivia o tempo todo com eles. Num determinado dia, aniversário de uma das meninas que ficava sempre com a gente e que eu já tinha bastante afinidade, a gente saiu: fomos ao shopping e depois ao Parque Germânia que é um lugar bem legal aqui em Porto Alegre e foi um dia incrível! No mesmo dia a gente passou a conversar bem mais e criamos um grupo, o Like a Virgin e a partir daí parece que eu comecei a entender o sentido de ser adolescentes. Começamos a nos reunir nas casas dos membros do grupo e quando a gente faz isso são noites realmente especiais e que mostraram que existe coisa bem melhor que noitadas, pegação, bebida e coisas do gênero (não vou ser hipócrita e julgar quem faz isso, é muito bom só que tem coisa melhor).

Ao mesmo tempo que fica o pesar por ter perdido uma amiga de longa data, tem o prazer por viver sem preocupações e visando a felicidade e eu acredito estar passando por uma das melhores fases da minha vida.

Obviamente nem tudo são flores: com o namoro, veio junto uma puta de uma insegurança que eu acredito ser normal de todos os adolescentes, mas é difícil pra caramba aprender a lidar com ela e eu gostaria de ouvir de vocês que são adolescentes inseguros ou dos que já foram, o que fazer quando a insegurança bater? Eu me vejo perdido muitas vezes em relação a milhões de coisas e não sei a quem ou quê recorrer.

Gente inteligente faz falta!

Recentemente fui visitar meu namorado. Era a formatura no ensino médio dele e juntamente com isso aconteceram uma after-party e uma reunião com o grupo dele na casa de um dos melhores amigos dele. Cara, eu fiquei mega empolgado porque eu me senti em casa. Mesmo sendo um fator externo, eu me encontrei em várias coisas neles e sabem como eu me senti? Infinito. Foi incrível saber como é estar dentro de um Perks e se sentir incluindo, com pessoas com os mesmos interesses e até os mesmos gostos que os teus. Sem contar que os caras são mega inteligentes e no mundo em que vivemos hoje em dia, isso faz falta. Sei que o post deve estar enorme, mas ainda tenho coisas pra falar.

Decida agora ou arrependa-se para sempre.

Acabando o segundo ano do ensino médio e indo para o tão aguardado terceirão vem junto a cobrança e o famoso "o que você quer ser quando crescer?" e a minha resposta é a mais insatisfatória possível: eu não sei. Alguém me explica o que eu deveria fazer agora porque eu estou perdido!!!
Tem várias coisas me chamando atenção e ao mesmo tempo tem coisa faltando! Eu não sei o que eu quero fazer e eu não sei o que eu gosto de fazer e porque eu preciso fazer algo? Isso é uma das coisas que mais têm me preocupado ultimamente e eu não consigo me decidir. Meu maior sonho é ser escritor, mas é uma carreira difícil. Não vou desistir do sonho, mas aos 16 anos é difícil tu se tornar um escritor consagrado e best-selling.

Eu tô é com vontade de fugir. Viver de amor e me alimentar de sol, é isso o que eu quero. É tudo muito concreto hoje em dia e eu sou uma pessoa abstrata. Eu sei que não é só eu que me sinto dessa forma, mas parece que é! Eu queria uma luz do que fazer, uma sinopse da minha vida pra eu poder criar uma teoria sobre o que vai acontecer no próximo capítulo. É uma discussão inútil talvez, mas eu gostaria muito de saber o que fazer, queria apertar H pra receber uma dica ou coisa assim. Ser adolescente é a melhor coisa do mundo e é a pior também.

Bom, eu gostaria que vocês deixassem nos comentários as opiniões de vocês. Eu tenho tanta coisa pra falar, tanta coisa dentro de mim e quero confiar meus sentimentos a vocês.
Beijos.

You Might Also Like

2 comentários

  1. Matheus :)
    Acredito que esse tenha sido o melhor post seu que eu já li e o que mais mexeu comigo, como já era de se esperar. Como eu gostaria de sentar para conversar contigo, moço. Apesar de não sermos íntimos e tals.
    Acho tão bacana discutir adolescência porque, quase sempre, eu nunca respondo muita coisa. E daí dá aquela vontade de jogar tudo para o alto, sabe?! Porque as coisas nunca são como gostaríamos que fossem e, nó máximo, pouca gente nos entende.
    Eu mesmo aos 19 anos e já cursando faculdade não tenho certeza de mais da metade das coisas que me fazem ser quem eu sou, entende?! Acho que sim. Ou talvez não. Nem eu me entendo as vezes e isso acontece com cada um de nós, uma hora ou outra.
    Slá, divaguei, né?! Isso também acontece.
    O que eu posso garantir é que a partir de agora eu estou procurando ser mais infinito. E espero, de verdade, conseguir.

    Abraços
    http://booksdeluxe.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Acho que sou uma adulta frustrada. kkkkkkkkkkkkkkkk
    Bem, eu casei logo cedo e com alguem bem mais velho, ou seja, perdi a metade da minha adolescência. Acho que por isso o livro que estou escrevendo é sobre adolescentes. Amo o mundo deles e a forma com a qual eles encaram coisas simples como amor e dor.
    Acredito que quando se é jovem, tudo tem mais sal e açucar. A velhice pode ser uma coisa bem chata quando não se vive a adolescência.
    Eu tipo, AMEI essa postagem!
    Faça mais delas e logo. hehe

    bjus
    terradecarol.blogspot.com

    ResponderExcluir

Formulário de contato